Dia dos Espíritos e Morte na Mitologia Turca

Dia dos Espíritos e Morte na Mitologia Turca

Dia dos Espíritos e Morte na Mitologia Turca

A única coisa que nunca podemos experimentar até morrermos é a própria morte. Embora alguns de nós consideremos uma simples transformação, a morte significa dor e tristeza para muitas pessoas. Tanto que tanto a literatura quanto a arte estão repletas de mitos de imortalidade e vida eterna. Por outro lado, os mitos também estão repletos de personagens associados à morte.

Morte na Mitologia Turca

Até onde se sabe, a morte nunca foi vista como um fim absoluto nas comunidades turcas. Tanto a tradição oral arcaica quanto os ritos de morte nas comunidades turcas confirmam essa explicação.

A maioria dos objetos que provam que os antigos turcos acreditavam na outra vida são obtidos das sepulturas.

Os antigos turcos interpretavam a morte como a alma deixando o corpo físico e passando para outro reino. Por isso, enterravam os materiais que poderiam ser úteis aos falecidos no outro mundo, junto com os mortos. Se o falecido era um guerreiro, eles erguiam uma estátua de pedra rústica chamada balbal ao redor de seu túmulo para cada inimigo que ele matava. Eles acreditavam que os inimigos mortos pelo guerreiro se tornariam seus escravos no outro mundo.

Exemplos de Balbal na Ucrânia

No entanto, mesmo que o falecido fosse um guerreiro que tivesse garantido o céu, a morte significava um período de luto estrito para os turcos Tengrist. Os lamentos escritos pelos mortos dão pistas importantes sobre esse período.

Durante as cerimônias fúnebres, os ritos mais comuns eram para os homens rasparem os cabelos, cortarem o rosto ou certas partes do corpo para derramar um pouco de sangue. Algumas comunidades turcas também sacrificavam animais. Entre estes, a única tradição que sobreviveu até os dias de hoje é o sacrifício.

Em algumas comunidades muçulmanas turcas, tanto na Anatólia quanto na Ásia Central, a tradição de sacrificar após o falecido foi islamizada e mantida viva até hoje. Na versão islâmica da tradição, o objetivo é oferecer a carne do animal sacrificado aos vizinhos e pedir orações pelo falecido.

Tipos de Enterro e Mumificação em Turcos

O tipo mais comum de enterro nos antigos turcos é a inumação. Em algumas sepulturas, viu-se que os mortos eram enterrados na posição hocker.

Sabe-se que além da inumação também são praticados tipos de sepultamento com elementos xamânicos e cremação. A cremação parece estar relacionada ao poder purificador do fogo.

O fato de que a escavação do kurgan e das grandes sepulturas às vezes levava meses e as condições sazonais desfavoráveis levaram ao desenvolvimento de técnicas de mumificação. Portanto, muitos cadáveres mumificados foram encontrados nos túmulos citas, hunos e Göktürk.

A tradição de mumificação também foi praticada em anos posteriores. Sabe-se que alguns estadistas foram embalsamados nos seljúcidas e nos primeiros períodos do Império Otomano.1

Aldaci Han e Seus Ajudantes

Aldacı (Turco antigo: 𐰀𐰡𐰀𐰲𐰃) é o nome de uma entidade mitológica associada à morte na mitologia turca. As tropas sob seu comando são conhecidas como “Ajudante Aldacı”. Neste caso, o principal aldacı é chamado de “Aldacı Han”.

Aldacı Han pode ser brevemente definido como a entidade que corresponde ao anjo da morte nos mitos turcos e altaicos. No entanto, deve-se notar que esta definição é um pouco carente, uma vez que os turcos Tengrist não têm o conceito de anjos no sentido atual.

A missão de Aldaci Han, que se acredita ter sido enviado por Erlik, o deus do submundo, é levar as almas daqueles cuja hora da morte chegou.

Aldacı Han é retratado como uma figura masculina antropomórfica, vestindo longas roupas pretas, inspirando medo por onde passa, implacável e forte, montando um cavalo preto, ao contrário do anjo da morte de hoje e dos personagens de Azrael.

Aldacı Han vem para levar almas em um cavalo preto como breu.

De acordo com a crença turca, a morte ocorre de duas maneiras. No primeiro tipo de morte, Erlik recebe a alma da pessoa através do Aldacı Han, que ele envia para a terra. Esta forma de morte é chamada de morte prematura. Os ajudantes de Aldacı Han são os ancestrais da pessoa cuja alma foi levada.

A única maneira de evitar a morte prematura era sacrificar um animal e conquistar o coração de Erlik.

O segundo tipo de morte é a morte oportuna. Neste tipo de morte, a pessoa viveu o suficiente e agora é hora de passar para o outro reino. Dependendo de como a alma vive neste mundo, ela ascenderá a Uçmag (Céu) ou descerá a Tamu (Inferno) e entrará a serviço de Erlik e Aldacı Han.

Dia dos Espíritos

Enquanto o processo de luto continuava na casa onde Aldaci Han entrou, as pessoas da casa costumavam tentar se proteger dos espíritos. Para isso, algumas mudanças foram feitas em casa e rituais de purificação foram aplicados no passado.

De acordo com a mitologia turca, os ajudantes de Aldacı Han continuariam a vagar pela casa dos mortos por um tempo. Esse período foi geralmente aceito como 40 dias para óbitos de adultos e 7 dias para óbitos de crianças. Durante esse período, nenhum pertence foi levado para fora da casa.2

Em algumas regiões, no final desse período, a casa era incensada com ramos de zimbro, acompanhados por um xamã, para afastar os maus espíritos da casa.3

Ao mesmo tempo, o xamã costumava rezar e tocar tambores para que os maus espíritos saíssem de casa. Se era determinado que a alma do falecido não queria sair de casa, o xamã costumava sugerir e orientar a alma.

Jean-Paul Roux afirmou que nas comunidades turcas que o fogo é considerado sagrado, os parentes dos mortos eram purificados passando entre dois fogos no passado.4

Depois que os espíritos eram expulsos da casa, os parentes dos mortos ofereciam comida e bebida ao vizinho. Esse dia foi chamado de Dia dos Espíritos, e todos costumavam orar bem pelos falecidos.



  1. “İslamiyetten Önce Türklerde Ölüm Anlayışı ve Defin Yöntemleri”, İbrahim ONAY, Gümüşhane Üniversitesi, Sosyal Bilimler Elektronik Dergisi, Ocak 2013^
  2. Türk Söylence Sözlüğü“, Deniz KARAKURT^
  3. “Eski Türk Dini Tarihi”, Abdülkadir İNAN, ISBN: 978-6056600975^
  4. “La Mort Chez Les Peuples Altaïques Anciens Et Médiévaux”, Jean-Paul ROUX, ISBN: ‎978-2720002274^