Métodos de descarte de restos humanos

Métodos de descarte de restos humanos

Os métodos de descarte de restos humanos e os ritos praticados durante o enterro variam entre religiões e culturas. Embora a inumação e a cremação sejam os métodos de descarte mais comuns atualmente, as pessoas praticaram muitos métodos diferentes desde o Paleolítico.

Inumação

Métodos de Descarte de Restos Humanos, Inumação

A inumação, um dos métodos de descarte mais comuns em todo o mundo, é a colocação de cadáveres no solo. Geralmente é realizado enterrando o corpo em uma cova que varia de 1 metro a 2 metros. O corpo pode ser enterrado com o caixão, em mortalha ou nu. Em algumas culturas, os pertences do falecido também são enterrados com o falecido. No passado, especialmente do Calcolítico à Idade do Ferro, era comum que os cadáveres fossem enterrados com objetos de valor e itens que poderiam ser úteis após a morte.

Não há consenso entre os cientistas sobre quando a inumação foi praticada pela primeira vez. No entanto, estima-se que tenha surgido no Paleolítico Médio.1 Existem muitos estudos que mostram que a primeira espécie humana a enterrar conscientemente seus mortos foram os neandertais.2

Enterro com caixão

Quando se trata de inumação, é prática comum enterrar o corpo após colocá-lo em um caixão. Nesse caso, o falecido pode ter sido envolto em uma mortalha ou vestido com roupas cerimoniais. A forma, tamanho e matéria-prima do caixão variam de acordo com a cultura, religião, tradições e condições econômicas.

No entanto, alguns preferem o enterro sem caixão, pois os caixões atrasam o processo de decomposição.

Enterro sem caixão

O enterro sem caixão é tão comum quanto o enterro com caixão. Geralmente, o enterro sem caixão é preferido nos casos em que se deseja que o processo de decomposição termine rapidamente.

Enterro com mortalhaEnterro sem mortalha
O corpo é enterrado em uma mortalha por razões religiosas, morais e higiênicas.O corpo é enterrado nu por preferência ou necessidade pessoal. É proibido em alguns países.

Cremação

A cremação é um método de descarte de restos humanos, colocando o corpo morto no fogo. Nos tempos modernos, a cremação geralmente é concluída em cerca de 2 ou 3 horas em crematórios. No entanto, em alguns países, esse processo pode ocorrer ao ar livre e por um longo período de tempo.

Ao contrário da crença popular, o corpo inteiro não se transforma em cinzas após a cremação. Os fragmentos ósseos restantes são pulverizados com um moedor mecânico e entregues aos parentes autorizados do falecido.

Não está claro quando a primeira cremação foi praticada. Mas os restos humanos de quase 20.000 anos (LM1) descobertos na Austrália em 1969 são uma das primeiras cremações conhecidas.3 Os exemplares mais antigos na Europa datam do Neolítico.4

Com a disseminação do cristianismo, as práticas de cremação foram amplamente abandonadas, mas a demanda por cremação começou a aumentar a partir do final do século XIX. De acordo com um estudo de 2020, as taxas de cremação são superiores a 70% no Canadá, República Tcheca, Dinamarca, Alemanha, Hong Kong, Japão, Cingapura, Coreia do Sul, Suécia, Suíça, Tailândia e Reino Unido.5

Excarnação

A escarnação é a prática de remover órgãos do corpo do falecido e retirar a carne do cadáver dos ossos antes do enterro. É um dos costumes de morte mais antigos e é praticado em algumas comunidades até mesmo nos tempos modernos.

Os restos humanos de 160.000 anos (Homo sapiens) encontrados na Etiópia são a mais antiga evidência arqueológica de excarnação.6

Excarnação com lâminas

É a prática de raspar a carne dos mortos com uma ferramenta cortante. Era um costume comum em algumas comunidades nos tempos pré-históricos. Alguns achados arqueológicos também apontam para o canibalismo.

Enterro do céu

É uma técnica de excarnação em que os cadáveres são deixados no topo das montanhas. Nesse costume, a carne dos mortos é comida por pássaros carnívoros e animais necrófagos. É geralmente praticado na China, Tibete, Mongólia, Butão e Índia.

No zoroastrismo, os mortos são levados para estruturas chamadas de Torres do Silêncio e deixados do lado de fora para os pássaros carnívoros comerem.

Enterro em árvores

É a colocação do corpo do falecido em uma árvore por um tempo. Depois que a carne do falecido se decompõe, os ossos restantes geralmente são enterrados ou transportados para outro lugar. Tem sido praticado por alguns aborígines australianos, nativos americanos e comunidades xamânicas.

Métodos ecológicos para descarte de restos humanos

No século 21, novos métodos foram desenvolvidos para descartar cadáveres humanos devido às mudanças climáticas, aquecimento global, problemas ambientais e preocupações ecológicas.

Promession

Promessão é um método de descarte de restos humanos por liofilização. Foi desenvolvido pela bióloga sueca Susanne Wiigh-Mäsak, falecida em 2020.

Neste método, o corpo do falecido é cristalizado com nitrogênio líquido a -196°C e depois desintegrado em partículas por meio de vibrações. Restos que vêm na forma de pó seco são enterrados no solo com um caixão e se transformam em húmus no prazo máximo de um ano.7

Aquamação (Cremação com água)

A aquamação, também conhecida como hidrólise alcalina, é um método desenvolvido como alternativa à inumação ou cremação. Baseia-se no princípio de que o corpo do falecido é decomposto em componentes químicos em água quente.

Primeiro, o corpo é colocado em um vaso de pressão. Em seguida, o vaso de pressão é enchido com água e hidróxido de potássio é adicionado. Depois que o corpo é imerso em água a 160°C por cerca de 4 a 6 horas, apenas os ossos amolecidos permanecem. Os ossos são reduzidos a pó e devolvidos à família do falecido. O líquido marrom que consiste em componentes químicos é descartado por outros métodos.

Terramação

É um método de conversão rápida de restos humanos em composto por meio da atividade microbiana em condições especiais. Materiais como lascas de madeira, palha e alfafa são usados para acelerar a decomposição. Os corpos se transformam em composto em apenas um a dois meses.

  1. Intentional Human Burial: Middle Paleolithic (Last Glaciation) Beginnings“, Yuri SMIRNOV, Journal of World Prehistory, Vol 3, No 2[]
  2. “The Human Past”, Chris SCARRE, Thames & Hudson, ISBN: 9780500290637[]
  3. Pleistocene human remains from Australia“, J. M. Bowler, Rhys Jones, Harry Allen & A. G. Thorne[]
  4. The Origins of Cremation in Europe“, Agnieszka GIL-DROZD, Ana­lecta Archa­eolo­gica Res­so­viensia, Vol 5, 2010[]
  5. 2022 NFDA Cremation & Burial Report“, National Funeral Directors Association, July 2022[]
  6. Clark, J., Beyene, Y., WoldeGabriel, G. et al. “Stratigraphic, chronological and behavioural contexts of Pleistocene Homo sapiens from Middle Awash, Ethiopia” Nature 423, 747-752, 2003[]
  7. Ecological burial“, Promesa Website[]
Subscribe
Notify of
guest
0 Comments
Inline Feedbacks
View all comments