Crânio de lobo, encontrado em um túmulo de 2.000 anos, foi colocado lá para proteção contra o espírito

Crânio de lobo, encontrado em um túmulo de 2.000 anos, foi colocado lá para proteção contra o espírito

Arqueólogos na Romênia revelaram um túmulo intrigante que oferece pistas sobre os antigos costumes e práticas funerárias da região. Entre as descobertas está também um crânio de lobo.1

Cheia
Cheia é uma vila localizada em Prahova. Situado no coração das montanhas dos Cárpatos, está rodeado por uma beleza natural deslumbrante. É aproximadamente 83 milhas (134 km) ao norte de Bucareste.

Localizado na aldeia de Cheia em Prahova, o túmulo, estimado em cerca de dois mil anos, sofreu erosão ao longo do tempo devido às atividades de aragem. No entanto, através de uma análise geofísica meticulosa, foi revelado que o monte possuía um diâmetro impressionante de até 246 pés (aproximadamente 75 metros). Esta descoberta significativa fornece informações convincentes sobre antigas práticas funerárias na região, lançando luz sobre os aspectos culturais e históricos das pessoas que habitaram a área.

No centro deste importante sítio arqueológico encontra-se uma sepultura com um fosso coberto por tábuas de madeira. Dentro desta estrutura, os defuntos eram cremados, deixando um rastro de evidências que permitem compreender o processo de cremação praticado neste período.

Entre os restos descobertos dentro da cova estavam fragmentos de ossos, oferecendo pistas sobre os indivíduos enterrados. Além disso, um fragmento de uma lâmpada de barro foi encontrado, indicando a presença de objetos cerimoniais que acompanham o falecido na vida após a morte. Os materiais de madeira carbonizados encontrados dentro do túmulo também foram adornados com acessórios e pregos de bronze, sugerindo que o processo de cremação foi um evento cuidadosamente orquestrado e simbolicamente significativo.

Uma exploração mais aprofundada do túmulo revelou restos de sementes de nozes queimadas, pinhas e vários outros materiais vegetais. Esta descoberta se alinha com a prática comum de incorporar matéria orgânica em enterros de cremação durante o início da era romana.

O papel das sementes de nozes queimadas nas práticas funerárias romanas
Na Roma antiga, os ritos fúnebres tinham grande significado, e entre os vários costumes observados destaca-se a inclusão de sementes de noz queimadas. As nogueiras simbolizavam a fertilidade, a sabedoria e o ciclo da vida e da morte. Durante as cerimônias fúnebres, sementes de nozes carbonizadas eram colocadas ao lado do falecido, dentro da urna funerária ou espalhadas ao redor do túmulo. O processo de carbonização simbolizava o poder transformador do fogo, auxiliando na jornada da alma para a vida após a morte, enquanto as sementes enegrecidas serviam como um lembrete da mortalidade. Essa prática é uma evidência das ricas crenças e rituais em torno da morte na cultura romana antiga.

Além disso, o local do enterro exibe indícios de roubo de túmulos antigos. Para se proteger de uma possível retribuição, os ladrões colocaram um crânio de lobo no topo de uma pilha de pedras, selando efetivamente o poço saqueado. Dr. Bartłomiej Szymon Szmoniewski, um especialista na área, sugere que este ato ritualístico pode ter sido feito para impedir que o espírito escape e evitar uma possível vingança.

Curiosamente, o Dr. Szmoniewski sugere que o povo Get, que habitava a região naquele período, pode ter sido o responsável pelo roubo do túmulo. No entanto, as motivações por trás de suas ações permanecem envoltas em mistério. Uma exploração mais aprofundada é necessária para desvendar os segredos enigmáticos do túmulo e obter uma visão mais profunda da rica herança cultural e religiosa da antiga Romênia.

O povo Get (Getae)
Nos tempos antigos, a Romênia e a Bulgária atuais eram o lar de povos antigos que desempenharam um papel significativo na história da região. Habitando o baixo vale do Danúbio, o povo Get, um desses povos antigos, interagiu com as colônias gregas ao longo da costa do Mar Negro e envolveu-se em lutas de poder entre os reinos helenísticos. Reconhecidos por sua habilidosa equitação e cultura guerreira, o povo Get mantinha uma complexa estrutura social e se dedicava ao comércio e à diplomacia com as civilizações vizinhas. Eles enfrentaram pressões do Império Romano em expansão, mas conseguiram preservar sua identidade cultural.

A análise cuidadosa dos fragmentos ósseos, dos restos carbonizados e dos materiais vegetais não apenas ilumina o processo de cremação, mas também abre caminhos para o estudo da dieta antiga e das práticas botânicas. Ao reunir as pistas deixadas para trás, os pesquisadores podem obter informações sobre os recursos disponíveis para essas sociedades antigas e a maneira como eles os aproveitaram para vários propósitos.

Crânio de lobo e túmulo em Cheia
Foto: B. S. Szmoniewski

Prahova na antiguidade: uma jornada 2.000 anos atrás

Situada no sul das montanhas dos Cárpatos, a região de Prahova possui uma topografia diversificada, abrangendo picos majestosos, vales férteis e rios caudalosos. A sua localização estratégica entre o Danúbio e o Planalto da Transilvânia tornava-o um ponto crucial para o intercâmbio comercial e cultural.

Durante este período, Prahova experimentou um mosaico de influências culturais. Os dácios, um povo indígena da Trácia, eram a população dominante, enquanto o Império Romano exercia sua presença na região. Os dácios, conhecidos por suas habilidades metalúrgicas avançadas e assentamentos fortificados, prosperaram na região e estabeleceram uma rede de comunidades interconectadas.

O comércio desempenhou um papel vital no desenvolvimento de Prahova durante esta época. Os abundantes recursos naturais da região, incluindo madeira, minério de ferro e metais preciosos, atraíram a atenção das potências vizinhas. Os dácios se envolveram em comércio extensivo, trocando mercadorias como sal, cerâmica e produtos agrícolas com as tribos vizinhas e o Império Romano.

A expansão do Império Romano na região durante o século I aC trouxe mudanças significativas para Prahova. Os romanos reconheceram a importância estratégica da região e estabeleceram postos militares avançados, fortificações e estradas para solidificar seu controle. O estabelecimento da província romana da Dácia consolidou ainda mais sua influência sobre os dácios indígenas.

A assimilação cultural entre os dácios e os romanos começou a ocorrer, levando a uma mistura única de tradições e costumes. Os romanos introduziram o planejamento urbano e a arquitetura, deixando para trás vestígios de suas habilidades avançadas de engenharia. Os dácios adotaram práticas e tecnologias agrícolas romanas, resultando em técnicas agrícolas aprimoradas e maior produtividade agrícola.

A religião também passou por transformações nesse período. Os dácios praticavam um sistema de crença politeísta, adorando um panteão de divindades associadas à natureza, fertilidade e guerra. Com a chegada dos romanos, a influência da mitologia romana e o culto aos deuses romanos cresceram, fundindo-se gradualmente com as práticas religiosas dacianas.

A arte e o artesanato da região floresceram durante esse período. Joias intrincadas, cerâmica elaboradamente decorada e trabalhos em metal finamente trabalhados exemplificavam a habilidade e a criatividade dos artesãos dácios. As influências artísticas romanas começaram a se entrelaçar com os estilos locais, dando origem a uma mistura distinta de expressão artística.

Apesar da integração cultural, as tensões subjacentes persistiram entre os dácios e os romanos. O rei Dacian, Decebalus, resistiu ferozmente à dominação romana, levando a conflitos que culminaram nas Guerras Dacian na virada do século II dC. Essas guerras marcaram uma virada significativa na história de Prahova, quando o Império Romano finalmente conquistou e incorporou o reino Dacian em seus territórios.

  1. Rumunia / Czaszka wilka w złodziejskim…przed zemstą zmarłego“, Szymon Zdziebłowski, Nauka w Polsce, June 15, 2023^
Subscribe
Notify of
guest
0 Comments
Inline Feedbacks
View all comments