Árvores de cemitério: por que as pessoas plantam árvores em cemitérios?

Embora os cemitérios de hoje sejam em sua maioria repletos de plantas ornamentais e árvores decorativas, você deve ter notado que algumas espécies como pinheiros, ciprestes e teixos são mais comuns. Então, quais são essas espécies de árvores que possuem significados espirituais e folclóricos além de sua função decorativa? O que simbolizam as árvores plantadas nos cemitérios?

A História da Tradição de Plantar Árvores em Cemitérios

O antropólogo Alan Barnard escreveu que o pensamento simbólico surgiu há cerca de 130.000 anos.1 Portanto, pode-se dizer que elementos simbólicos fazem parte de nossa vida cotidiana e cultura social há milhares de anos.

Dois dos elementos simbólicos mais básicos da cultura são os costumes e as tradições. As sociedades há muito têm tradições, costumes e práticas associadas à morte. Alguns antropólogos argumentaram que mesmo os neandertais podem ter tido certos ritos e práticas relacionadas à morte, mas ainda não há consenso.

Quando se trata do fenômeno da morte, é possível observar práticas semelhantes e originais em muitas civilizações. Uma delas é a tradição de plantar árvores em cemitérios.

Embora se saiba que certas espécies de árvores foram plantadas deliberadamente em cemitérios desde os tempos antigos, não há dados precisos sobre quando essa tradição surgiu. No entanto, como tal prática de sepultamento não era esperada em grupos de caçadores-coletores, acredita-se que o costume de plantar árvores em cemitérios tenha surgido após o Neolítico.

Simbolismo das Árvores e Árvores de Cemitério

As árvores são importantes para toda a humanidade, sem dúvida. Isso se reflete nas artes, épicos, lendas e mitos de muitas civilizações. De fato, algumas espécies de árvores eram consideradas sagradas e surgiram práticas míticas, como não falar em voz alta perto das árvores. As pessoas conectaram os reinos cosmológicos com um símbolo que chamaram de árvore da vida e tentaram explicar o universo e a vida. Por outro lado, algumas espécies de árvores também foram associadas à morte, e foram plantadas em cemitérios para que a alma do falecido pudesse alcançar a paz.

Amoreira

A amoreira é uma árvore cultivada não apenas por seus deliciosos frutos, mas também por suas folhas e tronco. As folhas das amoreiras são usadas na sericultura e seus troncos são usados na fabricação de instrumentos desde os tempos antigos. Portanto, as amoreiras ganharam um status sagrado em algumas sociedades ao longo do tempo. No sul do Uzbequistão, a mulher que foi encontrada em uma tumba que se acredita datar do século II aC, segurava um galho de amoreira no peito.

Plantar amoreiras ao lado das sepulturas ou escolher locais próximos às amoreiras para o local do enterro é uma tradição que continua existindo nos turcos, embora não seja comum.

Nas comunidades turcas, algumas árvores são descritas como pilares que seguram a terra com suas raízes e o céu com seus galhos, e são consideradas como ajudando o xamã a viajar entre os reinos durante o transe. O simbolismo da árvore, que perdurou por séculos, foi incorporado à memória social e encontrou um lugar para si em muitas áreas da vida cotidiana. Uma delas é plantar árvores em túmulos.

O historiador turco Bahaettin Ögel afirmou que a tradição de plantar árvores em cemitérios remonta aos tempos antigos. As árvores plantadas ao lado das sepulturas ajudavam a alma dos mortos a ascender a Deus ou ao céu, assim como o xamã subia ao céu durante um transe.

Árvores como a amoreira, que perdem suas folhas a cada outono e ficam verdes novamente na primavera, simbolizam a eternidade e a ressurreição no folclore turco. Por isso, as árvores plantadas junto aos túmulos também simbolizam o envio dos mortos para a vida eterna.

O simbolismo da amoreira também é encontrado na mitologia grega. Dois amantes, que não são convidados a se casar por seus pais, fazem um acordo para se encontrarem debaixo de uma amoreira ao lado de um túmulo. No entanto, o homem que vê o manto da garota que ama na boca de um leão, pensa que o leão matou sua amante e comete suicídio. O sangue espalhado ao redor tinge de vermelho os frutos brancos da amoreira. Mais tarde, a menina vê o homem que ama debaixo da amoreira coberto de sangue e também se suicida. Depois desse dia, com a aprovação dos deuses, os frutos da amoreira (Morus nigra) adquirem a cor do sangue quando amadurecem.2

Pinheiro

O pinheiro, que é uma espécie da família Pinaceae, é uma árvore conífera e perfumada. Devido à sua resistência ao frio e às duras condições climáticas, muitas espécies de pinheiros estão espalhadas por todo o Hemisfério Norte, exceto nos desertos. Os pinheiros têm vida longa e, portanto, são vistos pelos nativos americanos como um símbolo de longevidade.

Com algumas exceções, as árvores associadas a práticas funerárias e plantadas em cemitérios são principalmente espécies perenes. Os pinheiros, que podem permanecer verdes em todas as estações, são associados à eternidade e à imortalidade devido a esta característica. Portanto, é possível ver pinheiros em muitos cemitérios na Ásia, Europa e América do Norte.

Além de seus significados simbólicos, os pinheiros também eram usados na confecção de caixões, por serem comuns.

No passado, o melhor presente que poderia ser dado a um bebê recém-nascido na Coreia eram ramos de pinheiro. Porque, como os nativos americanos, os coreanos associavam os pinheiros à longevidade. Eles também costumavam acreditar que o pinheiro coreano carregava as almas dos mortos para o outro mundo.3

Cipreste

Cipreste, uma espécie da família Cupressaceae, é uma espécie de árvore alta que pode crescer em muitos climas. Assim como os pinheiros, são coníferas e suas folhas são verdes em todas as estações. Os ciprestes são comparados a alguém que é virtuoso, justo e correto, devido à sua alta estatura e postura ereta.

O cipreste tem muitos significados simbólicos no folclore asiático e europeu. Graças às suas raízes profundas, eles podem enfrentar ventos fortes sem serem destruídos. Isso simboliza a determinação de enfrentar as dificuldades.

O cipreste, geralmente associado à honestidade e longevidade como o pinheiro, é considerado um dos símbolos da morte no Oriente Próximo e nos países mediterrâneos. É comum plantar ciprestes em cemitérios, principalmente na Espanha, Itália, Grécia e Turquia. Acredita-se que o cipreste, que fica como um guarda na cabeceira da sepultura, transmite orações a Deus e ajuda a alma dos mortos a subir ao céu.

Árvores de cemitério e a tradição de plantar árvores ao lado de túmulos
Ciprestes (Villeneuve-les-Avignon, França)

Sabe-se que pinheiros e ciprestes foram plantados ao lado dos túmulos de alguns governantes chineses no passado. O sinólogo e etnólogo alemão Wolfram Eberhard mencionou que ciprestes foram plantados em cemitérios na China. Ele também escreveu que os ciprestes vivem muito e simbolizam a longevidade.4

O zimbro, outra espécie de árvore da família Cupressaceae, às vezes também é plantado como árvore de cemitério. Muitas comunidades costumavam acreditar que o zimbro e o incenso de zimbro afastavam as criaturas do mal.

Zimbro na mitologia e crenças populares

Teixo

O teixo, uma espécie de conífera da família Taxaceae, é uma árvore perene. Ele se espalhou para muitas partes do Hemisfério Norte. O Extremo Oriente, Europa e América do Norte são as áreas onde é mais comum. O teixo, que gosta sobretudo de locais húmidos e sombreados, é uma espécie que pode viver milhares de anos.

Dois teixos que se acredita terem pelo menos 4.000 anos foram encontrados em Llangernyw, no País de Gales, e Zonguldak, na Turquia.

Todos os órgãos do teixo são venenosos, exceto a parte carnuda vermelha da fruta. Quando seus galhos pendentes entram em contato com a terra, eles criam raízes e se transformam em novos troncos com o tempo. Esta é uma das razões pelas quais os teixos têm vida longa.

Tanto sua natureza venenosa quanto seu estilo de crescimento único ajudaram os teixos a simbolizar a morte e o renascimento em muitas culturas. É por isso que os teixos são frequentemente plantados em cemitérios em toda a Europa.

O teixo, que desempenha um papel importante no simbolismo celta, é comum tanto em cemitérios quanto em adros de igrejas hoje.

Árvores de cemitério e a tradição de plantar árvores ao lado de túmulos
Teixo em um cemitério na Inglaterra. (Igreja de Santa Maria, Downe)

Alguns teixos nas igrejas europeias são mais antigos do que a chegada do cristianismo na área. Isso mostra que as igrejas foram construídas deliberadamente em torno de teixos ou em antigos templos pagãos.

Muitas espécies de árvores também eram consideradas sagradas nas comunidades eslavas. Com exceção de algumas espécies… O historiador de arte Gönül Uzelli mencionou que algumas comunidades eslavas consideravam os salgueiros e os choupos brancos (Populus alba) amaldiçoados e que perfuravam os túmulos das bruxas com estacas feitas de madeira de choupo branco.5

Cedro

O cedro, espécie de árvore conífera da família das Pinaceae, pode atingir 50 metros de altura. Portanto, tem simbolizado vida longa em muitas civilizações. Como outras espécies de árvores perenes, o cedro é frequentemente associado à imortalidade. É por isso que os cedros são plantados em alguns cemitérios.

Assim como o zimbro, o cedro é acreditado em algumas sociedades para afastar os maus espíritos. Porém, de acordo com uma superstição nos Estados Unidos, traz azar trazer ramos de cedro para dentro de casa fora da época do Natal.6



  1. “Genesis of Symbolic Thought”, Alan BARNARD, Cambridge University Press, ISBN: ‎978-1107025691[]
  2. The Mulberry Tree in the Tale of Pyramus and Thisbe“, Catherine Campbell RHORER, Cambridge University Press, July 4, 2014[]
  3. Pinus koraiensis – Korean Pine“, Jim GORMAN, Mount Auburn Cemetery, January 3, 2018[]
  4. “A Dictionary of Chinese Symbols”, Wolfram EBERHARD, Routledge & Kegan Paul, ISBN: 9780710201911[]
  5. “Slav Mitolojisi: İnanışlar ve Söylenceler”, Gönül UZELLİ, Yapı Kredi Yayınları, ISBN: 9789750837463[]
  6. So They Say“, Vicki BENCH, Bittersweet, Volume I, No. 4, 1974[]