Primeiros filmes de vampiros e uma análise abrangente de Nosferatu

Primeiros filmes de vampiros e uma análise abrangente de Nosferatu

Conde Orlok do filme Nosferatu (1922)

O tema dos vampiros possui uma longa história no cinema. As histórias desses seres, que vivem sugando o sangue humano, começaram a atrair atenção significativa na literatura e na cultura popular no final do século XIX. O surgimento dos filmes de vampiros é datado do início do século XX. Os primeiros filmes de vampiros frequentemente associavam essas criaturas a uma aparência grotesca, selvagem e insalubre. Nesse sentido, o exemplo mais proeminente é, sem dúvida, Nosferatu.

A formação do conceito de vampiro na arte e na literatura

O conceito de vampiros, encontrando o seu lugar com interpretações únicas nas doutrinas mitológicas de diferentes culturas e geografias ao longo do processo histórico, é um tema abordado tanto na antropologia cultural como na investigação artística.

Os vampiros são geralmente seres sobrenaturais que ressuscitam dos mortos, vivem consumindo sangue, dormem durante o dia e caçam à noite. Eles têm aversão à luz solar, alho, prata e símbolos sagrados. Embora muitas vezes assumam a forma humana, eles podem se transformar em animais como morcegos, lobos ou ratos, e influenciar os pensamentos dos humanos, exibindo seus poderes hipnóticos e místicos.

Embora a origem exata do conceito de vampiro não possa ser identificada, vestígios de entidades semelhantes a vampiros são encontrados em culturas antigas, como os egípcios, gregos, romanos, indianos, chineses, japoneses e turcos. Por exemplo, figuras como Sekhmet na mitologia egípcia, Lamashtu na mitologia mesopotâmica, Empusa na mitologia grega, Strix na mitologia romana, Vetala no folclore indiano, Jiangshi nas lendas chinesas, Kasha no folclore japonês e Ubır na mitologia turca são exemplos de seres que pode ser associado ao conceito de vampiro.

“A ampla disseminação do conceito de vampiro por toda a Europa ganhou impulso a partir da Idade Média. O continente foi assolado por surtos devastadores da peste bubônica, conflitos e guerras intermináveis, fome, pobreza, ignorância e vários elementos místicos. Todos esses fatores contribuíram para moldar o conceito de vampiro na mente das pessoas. Por exemplo, quando os túmulos de indivíduos que haviam morrido por várias razões foram abertos, alguns cadáveres foram observados com cabelos alongados, unhas e barbas crescidas, rostos avermelhados, bocas ensanguentadas, olhos abertos e corpos flexíveis. Isso levou à crença entre a população de que certos cadáveres se levantavam à noite, sugavam o sangue dos vivos e espalhavam doenças.

O conceito de vampiro entrou na literatura no século XVIII e ganhou popularidade no século XIX com o movimento literário gótico. Exemplos-chave incluem “O Vampiro” de John Polidori, escrito em 1819, “Carmilla” de Joseph Sheridan Le Fanu, de 1872, e “Drácula” de Bram Stoker, de 1897.”

Drácula: o icônico romance de terror de Bram Stoker

Embora centenas de romances sobre vampiros tenham sido escritos até hoje, Drácula continua a ser o primeiro nome que vem à mente quando se pensa no termo “vampiro”.

Criado pelo autor irlandês Bram Stoker, Drácula é um conde nobre, rico e até carismático que vive na Transilvânia, mas ao mesmo tempo é uma figura selvagem, implacável, cruel e aterrorizante. A história começa com Jonathan Harker, um jovem corretor de imóveis, viajando de Londres até o castelo do Drácula. Ao longo de seu tempo no castelo do conde, Harker se depara com muitos acontecimentos estranhos. Porém, ele consegue escapar do ambiente sombrio, e a história continua com a jornada de Drácula para Londres.

Na Inglaterra, o foco da história muda para a noiva de Harker, Mina, e sua amiga Lucy. Drácula, movido por uma espécie de obsessão por Mina Murray, pretende possuí-la e transformá-la em vampira. Um grupo liderado pelo professor Abraham Van Helsing, que percebe a natureza vampírica de Drácula, luta para resistir aos males de Drácula e proteger seus entes queridos.

Tema de vampiro no cinema e nos primeiros filmes de vampiros

Desde a sua invenção, o cinema despertou o interesse das pessoas e até hoje foram produzidos inúmeros filmes de diversos gêneros. Entre essa diversidade, um dos gêneros mais populares tem sido os filmes de terror.

O objetivo principal dos filmes de terror é evocar sentimentos de medo, terror, ansiedade e suspense no público. Portanto, o tema vampiro é uma escolha extremamente eficaz para escritores de filmes de terror. A sede de sangue e o passado misterioso dos vampiros criam um sentimento de curiosidade e uma atmosfera tensa entre os espectadores. Os poderes sobrenaturais dos vampiros despertam a imaginação do público, abrindo portas para um mundo sombrio e fantástico.

Os filmes com temática de vampiros deram seus primeiros passos no cinema na década de 1910. No entanto, devido aos orçamentos limitados e ao impacto das produções durante este período, o primeiro filme de vampiro significativo é amplamente considerado “Nosferatu – Eine Symphonie des Grauens” (Nosferatu, o Vampiro), lançado em 1922.

FilmeAnoDuraçãoDiretor de filme
The Vampire191338 minutosRobert G. Vignola
A Fool There Was191567 minutosFrank Powell
Les Vampires1915-1916421 minutosLouis Feuillade
Nächte des Grauens191756 minutosArthur Robison
Drakula Halála192165 minutosKároly Lajthay
Os primeiros vestígios do conceito de vampiro no cinema
(Período Pré-Nosferatu)

Nosferatu, o Vampiro

Nosferatu é um clássico do cinema que surgiu inspirado na icônica obra de Bram Stoker, “Drácula”. No entanto, devido à impossibilidade de obter os direitos autorais do romance de Bram Stoker, os nomes foram alterados, os locais foram alterados e certas modificações foram feitas no enredo. Apesar destas alterações, Florence Stoker, viúva de Bram Stoker, tentou impedir legalmente o filme e solicitou a destruição de todas as cópias. No entanto, este pedido nunca se concretizou e cópias do filme conseguiram sobreviver até aos dias de hoje.

O filme, dirigido pelo cineasta alemão Friedrich Wilhelm Murnau, teve roteiro escrito por Henrik Galeen. Max Schreck interpretou o personagem Conde Orlok no filme. Enrico Dieckmann e Albin Grau assumiram a produção do filme, com Fritz Arno Wagner como diretor de fotografia e Albin Grau como diretor de arte. Entre os outros membros do elenco estavam Gustav von Wangenheim, Greta Schröder, Alexander Granach, Georg H. Schnell, Ruth Landshoff, Wolfgang Heinz, Albert Venohr e John Gottowt.

Nosferatu é considerado por muitos críticos de cinema como o primeiro filme popular de vampiros na história do cinema. A produção de aproximadamente 94 minutos faz uma abordagem diferente ao conceito de vampiro do Drácula de Bram Stoker, retratando-o mais como um monstro, um animal, um demônio ou uma doença.

No romance “Drácula” de Bram Stoker, o Conde Drácula vem de uma família nobre da Transilvânia. Geralmente associado à riqueza e à nobreza, ele é, em certo sentido, um vampiro “aristocrático”. Este vampiro é repleto de uma polidez única, cada movimento parece delicadamente elaborado. Ele não está apenas ocupado em sugar sangue, mas também em influenciar tudo ao seu redor com sua elegância e nobreza. Vestido com roupas que brilham na escuridão da noite e movendo-se com passos lentos, ele domina a noite como uma sombra.

Por outro lado, o Conde Orlok é um ser totalmente isolado da humanidade, da civilização, da cultura e da sociedade. Ele é extremamente feio, assustador e selvagem, tendo cortado todos os laços com valores, normas e convenções humanas familiares. Sua existência parece a de um estranho de outro mundo porque ele rejeita todos os valores e normas aos quais as pessoas estão acostumadas. Nesse sentido, ele pode ser comparado ao personagem Mr. Hyde do escritor escocês Robert Louis Stevenson.

O conde Orlok parece ter emergido dos cantos mais profundos da escuridão. Seu rosto e corpo parecem estranhos e assustadores ao olho humano. Em contraste com Drácula, que possui uma elegância atraente, o Conde Orlok carece de qualquer charme atraente e apresenta uma aparência horrível a cada olhar. Desviando-se do mito dominante sobre vampiros estabelecido desde Drácula, ele reflete o vampirismo de uma maneira mais primitiva, selvagem e repulsiva.

A atmosfera da época também teve um papel decisivo para Nosferatu assumir uma perspectiva sobre o conceito de vampiro que diverge do romantismo. O filme foi rodado na Alemanha na década de 1920, após a Primeira Guerra Mundial e o estabelecimento da República de Weimar. Desdobrou-se durante um período marcado por crises, conflitos, problemas, mudanças, buscas e inovações em diversos campos como político, econômico, sociológico, cultural, psicológico, artístico, literário, científico, tecnológico, estético e ético. Neste contexto, utilizando a linguagem estética do Expressionismo Alemão, que vivia a sua época de ouro, o filme refletia eficazmente a vida, os pensamentos, as emoções, as crenças e os medos das pessoas daquela época.

O Expressionismo Alemão é um movimento artístico que não retrata a realidade de acordo com critérios objetivos, racionais e lógicos, mas sim a reflete, interpreta e critica de uma maneira subjetiva, irracional, emocional, psicológica e até mesmo fantástica, sobrenatural, simbólica e metafórica. . Nos filmes inspirados no Expressionismo Alemão, as características mais marcantes são contrastes distintos, geometrias distorcidas e jogos de luz e sombra. Nesse sentido, pode-se dizer que Nosferatu criou com sucesso uma atmosfera cinematográfica poderosa ao empregar esses elementos estéticos.

Nosferatu também é um filme de grande sucesso em termos de atuação. Em linha com a estética do filme mudo, utiliza eficazmente a narrativa visual, conseguindo uma narrativa equilibrada através das expressões faciais dos personagens e da organização das cenas. Particularmente notável é a representação do Conde Orlok por Max Schreck, chamando a atenção com suas expressões emocionais e gestos faciais. Schreck desempenhou o papel de vampiro de forma tão convincente e realista que rumores circularam entre as pessoas, sugerindo que ele era um vampiro de verdade que não usava maquiagem ou fantasias, mas genuinamente mordia, matava e bebia o sangue de outras pessoas.

Nosferatu pode ser considerado uma obra-prima que deixou sua marca na história do cinema. O filme lidou com o conceito de vampiro de forma tão eficaz que não só serviu de inspiração para outros filmes de terror, mas também cativou qualquer pessoa interessada em cinema. O domínio técnico do diretor, as atuações impressionantes dos atores e a compreensão estética do Expressionismo Alemão transformaram Nosferatu em uma obra de arte imortal. O que mais poderia significar que ainda consegue causar um impacto duradouro depois de mais de 100 anos?

Onde Nosferatu foi filmado?

O filme foi rodado em grande parte na capital da Alemanha, Berlim. Algumas cenas foram filmadas na região de Žilina, na Eslováquia, adornada com suas belezas místicas.

O que significa Nosferatu?

Há opiniões que sugerem que o termo “Nosferatu” é derivado de uma palavra em romeno que significa “vampiro” ou de uma palavra em grego antigo que significa “portador de doenças”. No entanto, ainda não há consenso.

Nosferatu é de domínio público?

Sim, os direitos autorais do filme “Nosferatu” de 1922 expiraram. Portanto, agora é de domínio público em muitos países. Isso significa que qualquer pessoa pode usar o filme. No entanto, é aconselhável verificar as políticas de direitos autorais em diferentes países, pois elas podem mudar com o tempo.

O Nosferatu foi banido na Suécia?

Sim, um fato interessante, Nosferatu foi banido na Suécia até 1972 devido aos seus elementos de terror extremo.


  • Nosferatu, eine Symphonie des Grauens. IMDb.
  • Nosferatu. Rotten Tomatoes.
  • Nosferatu. AllMovie
  • Wikipedia contributors. (2024, January 24). Nosferatu. In Wikipedia, The Free Encyclopedia. Retrieved 07:36, January 25, 2024
Subscribe
Notify of
guest
0 Comments
Inline Feedbacks
View all comments