Uma pesquisa etnográfica na Noite de Bocuk

Uma pesquisa etnográfica na Noite de Bocuk

A Noite de Bocuk, uma tradição que está prestes a ser esquecida, voltou a ser popular na década de 2010 com o apoio dos governos locais. As celebrações, que são um dos importantes símbolos culturais da Trácia, transformaram-se em festa em pouco tempo com a contribuição da população local. Tanto é assim que o número de pessoas que participam nas celebrações, juntamente com as provenientes das províncias vizinhas e dos países balcânicos, chega a 10 mil. Bem, o que é a Noite de Bocuk, quando e como é celebrada?

O que é a Noite de Bocuk?

A Noite de Bocuk é uma antiga tradição balcânica associada à noite mais fria do inverno. É comemorado em Edirne e algumas aldeias em Tekirdağ hoje.

Multidões em fantasias de fantasmas são características das celebrações da Noite de Bocuk. Esses trajes, que simbolizam a criatura maligna chamada Bocuk, geralmente consistem apenas em um lençol branco. A pintura facial é por vezes um elemento complementar destes trajes.

Nas festas de hoje, os rostos são pintados principalmente de branco, mas sabe-se que antigamente era aplicada fuligem preta dos caldeirões nos rostos. Agora, produtos alimentícios facilmente disponíveis, como farinha e amido ou materiais de maquiagem, são usados.

História da Noite de Bocuk

A origem da Noite de Bocuk é incerta, mas os folcloristas acreditam que as tradições da Noite de Bocuk remontam à Idade Média.

Entende-se pelas citações de Tihomir Đorđević que os turcos que viviam nos Bálcãs em 1800 celebravam a Noite de Bocuk. Considerando o processo de formação das tradições, pode-se dizer que a Noite de Bocuk era conhecida entre alguns turcos nos Bálcãs ainda no século XVIII, o mais tardar.

O professor sérvio Tihomir Đorđević é um dos primeiros folcloristas e etnólogos a falar sobre as celebrações Bocuk dos turcos nos Bálcãs. Đorđević observou que os turcos se encontraram naquela noite e comeram abóbora.1

É uma tradição comum comer comida de abóbora e milho cozido na Noite de Bocuk.

Quando é a Noite de Bocuk?

Existem muitas opiniões diferentes sobre em que dia é celebrada a Noite de Bocuk, variando de região para região. No entanto, o período de duas semanas após 6 de janeiro é geralmente tomado como base. A opinião comum é que deve ser comemorado durante a época mais fria do ano. Portanto, a Noite de Bocuk pode ser considerada um dos festivais de inverno dos Balcãs.

Quais são as tradições da Noite de Bocuk?

As tradições da Noite de Bocuk foram levadas para a Trácia pelos turcos dos Bálcãs desde o final do século XIX. Essas tradições, que são transferidas principalmente para os dias atuais por meio de indivíduos anteriores à Geração X, formam a base das comemorações de hoje.

O símbolo mais importante da Noite de Bocuk é a criatura maligna chamada Bocuk. Esta criatura é frequentemente descrita como uma bruxa vestida de branco. Embora frequentemente descrito como uma mulher, Bocuk também é considerado um homem em algumas aldeias.

A maioria das tradições da Noite de Bocuk visa a proteção contra os danos que Bocuk causará. Algumas dessas tradições são comparadas às tradições do Halloween.

É a tradição mais comum as pessoas se fantasiarem de Bocuk e se assustarem pintando seus rostos de branco na Noite de Bocuk. Essa tradição, que antes era praticada apenas para se vestir de Bocuk, sofreu influência de diferentes conceitos ao longo do tempo. Nas comemorações de hoje, também são usados trajes de bruxas e elfos ou trajes inspirados em personagens fantásticos de filmes.

Cozinhar abóbora é uma das tradições populares da Noite de Bocuk, como mencionado acima. Na maioria das organizações, as pessoas oferecem umas às outras kabak tatlısı, uma espécie de sobremesa de abóbora. Os jovens disfarçados de Bocuk às vezes querem sobremesa de abóbora batendo nas janelas das casas vizinhas. Também há rumores de que no passado os aldeões deixaram alguns pratos de abóbora no celeiro. A razão para isso é proteger o gado no celeiro de Bocuk. Alguns aldeões em Tekirdağ colocam um pouco de baklava nos telhados de suas casas em vez de sobremesa de abóbora.2

A Noite de Bocuk costumava ser uma noite da qual as pessoas tinham medo. Portanto, era a tradição mais comum as pessoas se reunirem. Era uma prática indispensável para a Noite de Bocuk reunir as pessoas e cozinhar abóbora. Durante essas reuniões, as crianças foram colocadas na cama cedo. Por outro lado, os adultos ficavam sentados perto do fogão e conversavam até tarde. O frio não era um problema para eles. Porque eles acreditavam que quanto mais frio o clima, mais frutífero seria aquele ano. Apesar do frio, alguns jovens saíam disfarçados de Bocuk e batiam nas janelas das casas próximas. Essa brincadeira também foi um sinal de coragem para eles.3

Na Noite de Bocuk, a tradição mais comum para as crianças era ouvir histórias assustadoras dos adultos.

“Noite de Bocuk” para crianças em Edirne, Turquia

Tradições semelhantes

Com a chegada do inverno, muitas tradições semelhantes são encontradas tanto na Anatólia quanto na Europa.

Noite de Kolada

Na Turquia, é conhecido apenas em Kırklareli. É difícil dizer se a Noite de Kolada e a Noite de Bocuk têm as mesmas origens. No entanto, ambas as noites são celebradas em datas próximas.

“Kolada” é um termo entre os antigos eslavos para descrever o período entre o Natal e a Epifania. Nesse período, as pessoas se reúnem para cantar canções e se disfarçar com máscaras de animais.4

Portanto, pode-se dizer que a Noite de Kolada celebrada em Kırklareli está relacionada ao folclore eslavo. No entanto, deve-se sublinhar que existem diferenças entre as tradições dos turcos e as tradições eslavas. O costume mais comum dos turcos na Noite de Kolada era cozinhar abóbora.

Cozinhar uma abóbora é um dos costumes populares dos turcos para se protegerem de criaturas malignas.

Quando se trata da Noite de Kolada, a primeira criatura que vem à mente é Karakoncolos. Karakoncolos é uma criatura maligna encontrada no folclore da Anatólia, Grécia e Balcãs. Muitas pessoas nas regiões acima mencionadas costumavam acreditar que Karakoncolos surgiu durante os dias mais frios do inverno. Portanto, cozinhar abóbora na Noite de Kolada pode ser um dos métodos aplicados para se proteger dos males de Karakoncolos.

Na Noite de Kalandar celebrada na região oriental do Mar Negro, as pessoas costumavam deixar um prato local, kuymak, em frente ao portão externo para se proteger dos danos de Karakoncolos.5

As criaturas mais assustadoras do folclore da Anatólia

Noites de Coraz

As Noites de Coraz são conhecidas apenas por muito poucas pessoas nas aldeias de Ödemiş e Beydağ em İzmir, Turquia. Cai nos dias 18, 19 e 20 de janeiro. Assim como na Noite de Bocuk, uma velha bruxa vaga pelas ruas à noite e machuca as pessoas nas Noites de Coraz. Os aldeões cozinham abóboras para se protegerem da bruxa chamada Coraz e não permitem que as crianças saiam à noite. Mestan Yapıcı afirmou que as mesmas datas eram conhecidas como Noites de Karakoncolos em Çeşme, que fica a cerca de 200 quilômetros de Ödemiş e Beydağ.6

Festivais de inverno com conceitos semelhantes realizados na Anatólia e nos Bálcãs em janeiro e fevereiro (1: Noite de Bocuk, 2: Noite de Kolada, 3: Kukeri, 4: Noites de Coraz, 5: Noites de Karakoncolos, 6: Noite de Kalandar, 7: Busójárás, 8 : Carnaval de Rijeka, 9: Kurentovanje, 10: Carnaval de Veneza)

Carnavais de inverno semelhantes nos Bálcãs

Com a chegada do inverno, carnavais semelhantes são realizados em muitos países dos Bálcãs. A Tradição Kukeri na Bulgária, o Carnaval Rijeka na Croácia, o Carnaval Kurentovanje na Eslovênia e o Carnaval Busójárás na Hungria estão entre os mais conhecidos.

Tradições como o Halloween e a origem do Halloween

O objetivo da maioria desses carnavais é afastar os maus espíritos associados ao inverno e celebrar a chegada da primavera.



  1. Tihomir ĐORĐEVIĆ, “Naš Narodni Život”, Volume 2[]
  2. Prof. Dr. Erman ARTUN, Tekirdağ Âdetlerinden Bocuk Gecesi Ve Sedenka, Türk Kültürü Araştırmaları: Prof. Dr. Şükrü Elçin’e Armağan, 1993[]
  3. Özlem GÜZEL & Hande AKYURT KURNAZ, Türk Kültüründe Bir Miras Olarak Bocuk Gecesi Ritüeli İçeriği: Fenomenolojik Bir Araştırma, 2020[]
  4. Борис Александрович РЫБАКОВ, Язычество древней Руси, 2001, ISBN: 9785344000923[]
  5. Okan ALAY, “Anadolu Ve Kafkasya Kavşağında Geleneksel Bir Yılbaşı Kutlaması: Kalandar”, Motif Akademi Halkbilimi Dergisi, Cilt: 11, Sayı: 23, 2018[]
  6. Mestan YAPICI, Türk Kültüründe Kabak Ve Kabak Yemekleri, Dönence Yayınları, ISBN: 9789757054191[]
Subscribe
Notify of
guest
1 Comment
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments