Origens da comunicação escrita e tipos de sistemas de escrita

Origens da comunicação escrita e tipos de sistemas de escrita

As informações sobre as origens da comunicação escrita geralmente derivam dos dados das disciplinas de epigrafia e paleografia. A epigrafia concentra-se particularmente no exame de inscrições, símbolos gravados em pedras e escritos gravados em superfícies. Os especialistas em paleografia, por outro lado, estudam a evolução dos alfabetos e dos sistemas de escrita antigos. Acadêmicos e pesquisadores usam esses estudos para trazer histórias de culturas passadas até os dias atuais.

Origens da comunicação escrita

As origens da comunicação escrita estão enraizadas no esforço da humanidade para expressar pensamentos através de símbolos, sinais e elementos visuais específicos. Este empreendimento experimentou um desenvolvimento significativo durante os tempos pré-históricos, particularmente com o surgimento dos petróglifos.

Os petróglifos facilitaram a transferência de informação, a expressão cultural e talvez a transmissão de conceitos abstratos entre as comunidades. Isso pode ser visto como parte do processo evolutivo da linguagem. No entanto, os petróglifos não podem ser classificados como linguagem porque carecem das características fundamentais da linguagem, que envolvem uma estrutura simbólica acompanhada de expressão vocal ou verbal. A linguagem é baseada no arranjo significativo de sons e símbolos falados ou escritos dentro de um grupo específico. Os petróglifos, por outro lado, são mais inclinados à narração visual ou ao simbolismo.

Origens da comunicação escrita (petróglifo)
Petróglifos criados por nativos americanos na América pré-colombiana. (Columbia River Gorge)

A história da linguagem escrita foi moldada pelo início da humanidade na expressão de pensamentos por meio de símbolos, letras e números. Esta evolução é frequentemente atribuída à invenção do cuneiforme pelos sumérios na Mesopotâmia por volta do 4º milênio aC. O cuneiforme, desenvolvido pelos sumérios, tornou-se uma ferramenta para armazenar e facilitar a comunicação no comércio, no direito e em outras atividades sociais, estabelecendo as bases para a linguagem escrita. Pouco depois, surgiram os hieróglifos egípcios e influenciaram muitos alfabetos.

Cuneiforme

A escrita cuneiforme é uma escrita predominantemente adotada pelas antigas civilizações mesopotâmicas. É uma das formas de escrita mais antigas conhecidas, com raízes que remontam aos primeiros estágios da Idade do Bronze no sul da Mesopotâmia.

Utilizado por civilizações como os sumérios, acadianos, elamitas, assírios, babilônios, hititas e muitos outros, o cuneiforme envolvia a criação de impressões em forma de cunha em argila macia usando uma palheta romba. Inicialmente, essas impressões representavam símbolos pictóricos representando objetos ou conceitos. Porém, com o tempo, o cuneiforme evoluiu para um sistema mais complexo e flexível, incorporando elementos fonéticos e sinais silábicos.

Com o tempo, a escrita cuneiforme foi adaptada para escrever diferentes línguas, com cada língua desenvolvendo o seu próprio conjunto de sinais e regras. Registros administrativos, documentos legais, obras literárias e textos religiosos da época foram transmitidos às gerações futuras por meio do cuneiforme.

No século I dC, o cuneiforme deu lugar a sistemas de escrita alfabética como o aramaico e o grego, gradualmente desaparecendo na obscuridade. No entanto, graças aos estudiosos do século XIX que decifraram inscrições antigas, foram obtidas informações valiosas sobre a história, a cultura e a literatura do antigo Oriente Próximo.

Hieróglifo

Origens da comunicação escrita (hieróglifo)
Hieróglifos egípcios.

Os hieróglifos são um dos antigos sistemas de escrita usados no período antigo. O mistério da escrita hieroglífica foi decifrado em 1822 pelo filólogo francês Jean-François Champollion através do estudo da Pedra de Roseta.

Embora muitas civilizações, como Luvianos e Urartu, tivessem suas próprias escritas hieroglíficas, os hieróglifos mais conhecidos e antigos pertencem ao Egito. Os hieróglifos egípcios foram usados por aproximadamente 3.600 anos, de cerca de 3.200 aC até o século 4 dC. Além disso, influenciaram outros sistemas de escrita antigos, como o alfabeto fenício.

Os hieróglifos egípcios consistem em várias imagens simples que representam sons ou significados. Essas imagens podem representar qualquer animal, planta, humano, objeto ou símbolo. Cada imagem é utilizada para transmitir a representação visual de algo ou ação, determinando o som ou sílaba de uma palavra falada.

A escrita hieroglífica pode ser organizada de cima para baixo ou da direita para a esquerda. A direção da escrita é compreendida a partir da orientação das imagens. Como escrever e ler hieróglifos exigia habilidade artística e educação abrangente, isso era normalmente realizado por indivíduos privilegiados, como faraós, nobres e sacerdotes.

Geoglifo

Origens da comunicação escrita (geóglifo)
Um dos geoglifos de Nazca.

Geoglifo é um termo usado para descrever grandes motivos criados por humanos na Terra. O propósito por trás de sua criação ainda permanece um mistério. Alguns pesquisadores sugerem que os geoglifos podem ter sido usados para fins como calendários celestes, rituais, arte ou comunicação.

Os exemplos mais significativos de geoglifos foram encontrados no deserto de Nazca, no Peru. Esses geoglifos são criados removendo as rochas de cor escura da superfície do deserto para revelar o solo de cor mais clara abaixo.

As Linhas de Nazca incluem vários motivos e figuras antropomórficas, como formas geométricas, animais e plantas. Acredita-se que as Linhas de Nazca possam ter servido como ferramenta de gestão das atividades agrícolas na cultura Nazca.

Petróglifo

Origens da comunicação escrita (petróglifo)
Petroglifos no Parque Nacional Mesa Verde. (Colorado, Estados Unidos)

Petróglifo é um termo geral comumente usado para se referir a desenhos e símbolos antigos criados por entalhes ou incisões em superfícies rochosas. Frequentemente associados a povos pré-históricos, os petróglifos são considerados uma forma de arte rupestre que traz vestígios de épocas antigas e culturas indígenas.

Esta forma de arte rupestre pode ser vista como um meio para as pessoas expressarem suas relações com a natureza, o universo e o metafísico por meio de desenhos simbólicos ou padronizados. Os petróglifos apresentam várias representações, incluindo súplicas a divindades, rituais, vida cotidiana, cenas de caça e guerra e reflexos de características culturais. Além disso, símbolos xamânicos, seres cosmológicos e animais mitológicos estão entre as figuras mais comumente encontradas.

Os petróglifos, quando avaliados em contextos cronológicos e culturais, auxiliam arqueólogos e antropólogos na compreensão e interpretação dos períodos pré-históricos.

No entanto, interpretar petróglifos às vezes pode ser um desafio. Isso ocorre porque os significados dos símbolos muitas vezes não são totalmente compreendidos sem uma linguagem conhecida. Esta falta de uma língua conhecida pode levar a diversas interpretações entre diferentes culturas. Portanto, arqueólogos, antropólogos e outros especialistas frequentemente adotam uma ampla abordagem interdisciplinar para compreender os petróglifos.

Escrita rúnica

Origens da comunicação escrita (escrita rúnica)
Uma inscrição esculpida com escritos rúnicos.

A escrita rúnica é um sistema de escrita historicamente usado entre os povos germânicos, particularmente proeminente nas culturas nórdica antiga e inglesa antiga. O alfabeto rúnico é baseado em símbolos simples, muitas vezes compostos por linhas verticais.

O alfabeto rúnico também é conhecido como “Futhark” no norte da Europa. O nome deste alfabeto é derivado da combinação das primeiras seis letras (f, u, þ, a, r, k) do alfabeto. O alfabeto Futhark inicial tinha originalmente 24 caracteres, mas posteriormente foi reduzido para 16.

A escrita rúnica foi usada durante um amplo período de tempo, do século II dC ao século XVII. Até o momento, mais de 5.000 inscrições rúnicas foram descobertas em toda a Europa. Uma maioria significativa dessas inscrições é encontrada em países como Suécia, Noruega e Dinamarca.

O alfabeto rúnico também foi utilizado pelos turcos e húngaros. Alguns caracteres do alfabeto Orkhon, que é o alfabeto indígena do povo turco, apresentam semelhanças com os do alfabeto Futhark. No entanto, eles possuem características fonéticas diferentes.

Runas turcas
“İlteriş Bilge (İltrs Bilge)” no alfabeto Orkhon.
(Fundador do Segundo Império Turco.)

Outros símbolos semânticos

Os símbolos semânticos são indicadores linguísticos utilizados para a transmissão e compreensão do significado. Estes indicadores servem como um sistema formal que facilita a interação entre indivíduos e entre diversas culturas.

Fonograma

Fonogramas são símbolos que representam sons específicos. Esses símbolos são caracteres que representam a estrutura sonora de um idioma. As letras de um alfabeto são um exemplo típico de fonogramas. Cada letra corresponde a um som específico ou combinação de sons. Por exemplo, as letras do alfabeto latino (A, B, C, etc.) representam sons específicos e, pela combinação dessas letras, formam-se palavras.

Ideograma

Ideogramas são símbolos usados para representar um pensamento ou conceito. Normalmente, eles expressam uma ideia diretamente, em vez dos sons fonéticos das palavras de um idioma. Números e símbolos matemáticos estão entre os ideogramas mais conhecidos. Por exemplo, símbolos como &, ÷, % carregam o mesmo significado em muitos idiomas.

Logograma

Um logograma é um símbolo único que representa uma palavra ou conceito específico. Esses símbolos normalmente transmitem uma palavra diretamente, em vez dos sons de um idioma. Os exemplos incluem caracteres chineses e caracteres kanji japoneses. Os logogramas auxiliam na expressão de palavras em sistemas de escrita complexos de uma forma mais curta e concisa.

Pictograma

Pictogramas são imagens e símbolos simples que geralmente simbolizam um objeto, ação ou conceito específico. Eles são usados para facilitar a comunicação e transmitir significado rapidamente a um público amplo. Portanto, eles desempenham um papel significativo na comunicação intercultural.

Os pictogramas são normalmente projetados de uma forma que todos possam entender. Por exemplo, uma silhueta simples representando um extintor de incêndio pode ser um pictograma. Este símbolo transmite significado rapidamente, sem a necessidade de habilidades linguísticas ou conhecimento gramatical. Exemplos de pictogramas incluem sinais direcionais em aeroportos, sinais de saída de emergência em quartos de hotel e símbolos em mapas (como um símbolo de garfo e faca para restaurantes ou um símbolo de caneca de cerveja para bares).

  • JAGERSMA, Bram. A descriptive grammar of Sumerian. 2010. PhD Thesis. Leiden University.
  • Wikipedia contributors. (2024, January 14). Cuneiform. In Wikipedia, The Free Encyclopedia. Retrieved 17:29, January 18, 2024.
  • Parkinson, R. B., Diffie, W., Fischer, M., & Simpson, R. S. (1999). Cracking codes: the Rosetta Stone and decipherment. Univ of California Press.
  • Richter, C., Teichert, B., & Pavelka, K. (2021). Astronomical Investigation to Verify the Calendar Theory of the Nasca Lines. Applied sciences, 11(4), 1637.
  • İlteriş Bilge. Türk Bitig. Göktürkçe çeviri yazıcı (To convert Latin letters to Old Turkish letters).
  • Wikipedia contributors. Phonogram (linguistics), Logogram, Ideogram, Pictogram. In Wikipedia, The Free Encyclopedia. Retrieved 17:44, January 18, 2024.
Subscribe
Notify of
guest
0 Comments
Inline Feedbacks
View all comments