Uma revolução cinematográfica: os melhores filmes do neorrealismo italiano

Uma revolução cinematográfica: os melhores filmes do neorrealismo italiano

No rescaldo da profunda convulsão provocada pela Segunda Guerra Mundial, a Itália se viu posicionada em uma conjuntura crítica, com sua estrutura social profundamente fraturada. A partir desse contexto pungente, surgiu um movimento artístico transformador que remodelaria indelevelmente a trajetória da expressão cinematográfica: o neorrealismo italiano. Enraizado em uma aspiração profunda de retratar autenticamente as complexidades não mediadas da existência cotidiana, o neorrealismo italiano encapsulava o próprio ethos de uma nação na agonia de reconciliar seu legado histórico enquanto traçava fervorosamente uma trajetória em direção a um futuro mais otimista.

Contexto histórico

O neorrealismo italiano surgiu após a Segunda Guerra Mundial e a queda do regime de Benito Mussolini, que deixou a indústria cinematográfica italiana em desordem. Esse movimento cinematográfico sinalizou uma profunda mudança cultural e social na Itália. Os filmes neorrealistas romperam com as narrativas inventadas e, em vez disso, ofereceram histórias autênticas e contemporâneas, muitas vezes filmadas em locações devido aos extensos danos sofridos pelos estúdios de cinema Cinecittà durante a guerra.

A fundação do neorrealismo foi lançada por um grupo de críticos de cinema associados à revista Cinema, incluindo figuras notáveis como Luchino Visconti, Gianni Puccini, Cesare Zavattini, Giuseppe De Santis e Pietro Ingrao.

Muitos cineastas que mais tarde se tornaram proeminentes no neorrealismo aprimoraram suas habilidades por meio de filmes de caligrafismo no início dos anos 1940, embora esse movimento tivesse diferenças distintas do neorrealismo. Elementos do estilo também ficaram evidentes nas obras de Alessandro Blasetti e nos filmes em estilo documentário de Francesco De Robertis. Precursores importantes do neorrealismo incluíram “Toni” (1935) de Jean Renoir e “1860” (1934) de Alessandro Blasetti. Luchino Visconti e Michelangelo Antonioni colaboraram estreitamente com Renoir.

A virada ocorreu na primavera de 1945, após a execução de Mussolini e a libertação da Itália da ocupação alemã. Chamada de “Primavera Italiana”, esta era marcou o início de uma mudança para um cinema mais realista. O cinema italiano abandonou os estúdios extravagantes, optando por locações autênticas em ambientes rurais e urbanos.

neorrealismo italiano - Roma Città Aperta
“Roma Città Aperta” (1945)

O primeiro verdadeiro filme neorrealista, amplamente considerado como “Ossessione” de Luchino Visconti, foi lançado em 1943 durante a ocupação. O movimento ganhou reconhecimento internacional em 1946 com “Roma Città Aperta”, de Roberto Rossellini, que conquistou o Grande Prêmio no Festival de Cinema de Cannes, marcando o ressurgimento da Itália no cinema após a guerra.

No entanto, no início dos anos 1950, o neorrealismo italiano experimentou um declínio. Partidos liberais e socialistas lutaram para transmitir suas mensagens, e o retrato sombrio da pobreza e do desespero no cinema neorrealista colidiu com uma nação em busca de progresso e mudança. À medida que a economia da Itália começou a melhorar, os temas do neorrealismo perderam relevância e o otimismo predominante nos filmes americanos ganhou mais favores. O sentimento predominante no governo italiano do pós-guerra era desfavorável ao neorrealismo, com a observação de Giulio Andreotti ressaltando essa perspectiva.

Fazendo a transição das preocupações sociais do neorrealismo italiano, as obras de Federico Fellini, como “La Strada” (1954) e “Il Bidone” (1955), marcaram uma mudança em direção à exploração individual. Os filmes italianos subsequentes na década de 1960 focaram na condição humana, investigando as necessidades pessoais, a alienação e a luta para se comunicar. Essa evolução foi espelhada nos filmes de Michelangelo Antonioni como “Deserto Rosso” (1964) e “Blow-Up” (1966), que internalizaram a essência do Neorrealismo em meio ao clima econômico e político do pós-guerra na Itália.

À medida que a década de 1950 avançava, novos artistas, incluindo Bruno Caruso, da Sicília, carregavam a tocha neorrealista, mostrando as realidades cruas de locais como os armazéns, estaleiros e enfermarias psiquiátricas de Palermo.

neorrealismo italiano - La Strada
“La Strada” (1954)

Características do neorrealismo italiano

O neorrealismo italiano é caracterizado por um conjunto de atributos artísticos e temáticos distintos que representam coletivamente um afastamento dos paradigmas cinematográficos convencionais:

Verossimilhança e veracidade: Uma marca registrada do neorrealismo italiano é seu compromisso inabalável com a autenticidade e o realismo. Os cineastas desse movimento evitaram o artifício dos cenários de estúdio e utilizaram locações reais, frequentemente empregando atores não profissionais para imbuir suas narrativas com um elevado senso de genuinidade.

Indivíduos comuns: Os filmes neorrealistas invariavelmente gravitavam em torno de narrativas que enfatizavam as lutas cotidianas de indivíduos comuns, muitas vezes provenientes da classe trabalhadora ou de segmentos empobrecidos da sociedade. Essa predileção por narrativas do comum gerou relacionabilidade e ressonância emocional entre o público.

Minimalismo: A estética cinematográfica do movimento foi caracterizada pelo minimalismo, utilizando cenários rudimentares e adereços sem adornos para evocar uma qualidade visual crua e sem verniz. Esta filosofia de design conduziu à autenticidade visual que o movimento procurou transmitir.

Comentário sócio-político: A quintessência do neorrealismo italiano reside em sua agenda social e política perceptível. Esses filmes funcionaram como críticas incisivas das questões sociais predominantes, como pobreza, desemprego e disparidade de classes, servindo como veículos de introspecção e consciência social.

Técnica cinematográfica: Um léxico cinematográfico distinto foi desenvolvido dentro do movimento. Diretores pioneiros como Roberto Rossellini e Vittorio De Sica empregaram tomadas prolongadas e cinematografia de foco profundo para gerar uma experiência cinematográfica imersiva que transportou os espectadores para o ambiente dos personagens.

Improvisação e espontaneidade: Os cineastas neorrealistas geralmente permitem a improvisação entre seu elenco não profissional, aproveitando o acaso e o imprevisto para ampliar a autenticidade das interações dos personagens e das respostas emocionais.

Cinematografia naturalista: O movimento abraçou os méritos utilitários da iluminação natural e das técnicas de câmera portátil. Ao evitar configurações de iluminação artificiais e adotar o trabalho de câmera portátil, os cineastas capturaram as sutilezas das emoções e ambientes de maneira não mediada.

Narrativas centradas na criança: A figura da criança assumiu proeminência em muitas narrativas neorrealistas, ressaltando temas de vulnerabilidade, inocência e resiliência no contexto de circunstâncias austeras.

Rejeição estética: Central para o ethos do neorrealismo italiano foi sua divergência proposital dos espetáculos opulentos propagados por Hollywood. O repúdio deliberado do movimento ao glamour escapista destacou seu compromisso de apresentar um quadro de existência sem embelezamento.

Os melhores filmes do neorrealismo italiano

Ossessione (1943)
Luchino Visconti
Crime
Melodrama
I bambini ci guardano (1944)
Vittorio De Sica
Melodrama
Roma città aperta (1945)
Roberto Rossellini
Guerra
Drama
Sciuscià (1946)
Vittorio De Sica
Drama
Il sole sorge ancora (1946)
Aldo Vergano
Guerra
Drama
Paisà (1946)
Roberto Rossellini
Guerra
Drama
Tombolo, paradiso nero (1947)
Giorgio Ferroni
Drama
Caccia tragica (1947)
Giuseppe De Santis
Ação
Melodrama
Germanya anno zero (1948)
Roberto Rossellini
Drama
Fuga in Francia (1948)
Mario Soldati
Drama
Thriller
La terra trema (1948)
Luchino Visconti
Drama
Ladri di biciclette (1948)
Vittorio De Sica
Drama
Crime
In nome della legge (1949)
Pietro Germi
Drama
Crime
Riso amaro (1949)
Giuseppe De Santis
Crime
Drama
Stromboli, terra di Dio (1950)
Roberto Rossellini
Drama
Non c’è pace tra gli ulivi (1950)
Giuseppe De Santis
Melodrama
Miracolo a Milano (1951)
Vittorio De Sica
Comédia
Fantasia
Bellissima (1951)
Luchino Visconti
Drama
Umberto D. (1952)
Vittorio De Sica
Drama
Roma, ore 11 (1952)
Giuseppe De Santis
Drama
La strada (1954)
Federico Fellini
Drama
Il ferroviere (1956)
Pietro Germi
Melodrama
Banditi a Orgosolo (1961)
Vittorio De Seta
Drama
Crime
Il demonio (1963)
Brunello Rondi
Drama
Terror

  • Wikipedia contributors. (2023, July 22). Italian neorealism. In Wikipedia, The Free Encyclopedia. Retrieved 21:58, August 12, 2023
Subscribe
Notify of
guest
0 Comments
Inline Feedbacks
View all comments