Animismo em contextos antropológicos e psicológicos

Animismo em contextos antropológicos e psicológicos

Animismo é a visão de que tudo no universo tem um espírito ou força vital. Em muitas culturas indígenas, o mundo é visto como um sistema vivo onde cada aspecto da natureza é considerado vivo. Mas o que significa perceber o mundo como vivo? Como essa perspectiva influenciou nossa percepção da natureza e nosso papel dentro dela?

O que é animismo?

O animismo é baseado na visão de que tudo tem uma essência espiritual distinta.1 Isso inclui entidades inanimadas, como montanhas, pedras, lagos, cavernas e nuvens. Está profundamente enraizado em muitas culturas indígenas e é caracterizado pela visão de que o mundo é um sistema vivo onde cada aspecto da natureza é considerado vivo.

Etimologia
O termo “animismo” vem do latim “anima”, que significa alma ou vida. No contexto antropológico, foi discutido pela primeira vez em detalhes pelo antropólogo inglês Sir Edward Tylor em seu livro “Cultura Primitiva” em 1871.2

O animismo pode ser pensado como uma visão que argumenta que tudo está interconectado. Os animistas consideram pessoas, animais, plantas e objetos inanimados como partes iguais do universo ou da natureza. Eles enfatizam que os humanos devem viver em harmonia com a natureza.

Embora o animismo seja frequentemente associado a culturas tradicionais e indígenas, influenciou muitos movimentos filosóficos e espirituais modernos.

A origem do animismo

É difícil determinar quando o animismo apareceu pela primeira vez. No entanto, pensa-se que surgiu em tempos pré-históricos com o efeito dos primeiros esforços das pessoas para explicar e dar sentido ao mundo ao seu redor.

O animatismo é reconhecido por alguns estudiosos como uma das primeiras manifestações da cosmovisão animista.3

Animismo no Paleolítico

Durante a era paleolítica, todas as espécies humanas, que geralmente ganhavam a vida como caçadores-coletores, desenvolveram um vínculo profundo com a natureza. Além disso, à medida que suas habilidades cognitivas melhoraram, eles começaram a atribuir significados simbólicos aos elementos da natureza. Com efeito, no Paleolítico Superior surgiram os primeiros comportamentos religiosos.

A evidência mais antiga da existência de crenças animistas é freqüentemente encontrada na arte rupestre do Paleolítico Superior, que retrata animais e outros objetos naturais com significados simbólicos. Por exemplo, muitas pinturas rupestres apresentam animais com mais de uma cabeça ou mais pernas do que deveriam. Isso leva os pesquisadores a pensar que os animais e alguns objetos naturais são vistos como mais do que entidades físicas.

Animismo no Neolítico

O modo de vida caçador-coletor e o estilo de vida nômade foram substituídos pela agricultura e agricultura no Neolítico. Com essa mudança, também conhecida como Revolução Agrícola, animais e plantas ganharam novos significados para as pessoas.

Os animais domesticados tornaram-se um recurso importante para as pessoas durante o Neolítico. Eles forneciam às pessoas produtos vitais, como leite, carne e peles. Isso, por sua vez, ajudou as pessoas a mostrar respeito pelos espíritos dos animais. As pessoas acreditavam que esses espíritos podiam influenciar suas vidas e deveriam ser apaziguados com rituais e oferendas.

Da mesma forma, as plantas também se tornaram um recurso vital para as pessoas. A agricultura permitiu que as pessoas aumentassem sua oferta de alimentos e tivessem mais tempo livre. Portanto, as pessoas começaram a respeitar os espíritos das plantas e a santificá-los.

Crenças e práticas animistas

Práticas e tradições animistas fazem parte da cultura popular desde os tempos pré-históricos. Essas tradições, especialmente nas culturas indígenas, foram transmitidas à posteridade, muitas vezes oralmente. Essa transferência cultural geralmente é realizada por meio de contos, lendas, mitos e outras expressões culturais.

O animismo é uma visão holística que aceita o mundo inteiro, até mesmo o universo, como vivo. Argumenta que tudo na natureza, desde a menor pedra até a montanha mais alta, tem uma essência ou espírito espiritual. De acordo com o animismo, esses espíritos podem se comunicar com humanos e outros espíritos.

Animismo e totemismo são a mesma coisa?
O animismo se concentra em espíritos individuais que ajudam a perpetuar a vida. No entanto, no totemismo, normalmente existe uma fonte primária, como uma planta ou animal totêmico, que fornece a base para a vida. Além disso, o animismo é frequentemente associado ao xamanismo, enquanto o totemismo está mais intimamente ligado às culturas tribais. De acordo com o antropólogo Tim Ingold, os aborígenes australianos são mais totêmicos, enquanto os inuítes são mais tipicamente animistas.4

Quase todos os rituais animistas são projetados para manter uma relação harmoniosa entre humanos e espíritos. Os povos indígenas costumam realizar rituais para apaziguar os espíritos e pedir sua ajuda na caça, cura ou outras atividades. Por exemplo, é comum nas regiões árticas realizar rituais para homenagear os espíritos dos animais. De acordo com o Inuit Qaujimajatuqangit compilado pelo ITK, o povo Inuit tem certos rituais que pratica antes de caçar para uma caçada bem-sucedida.5

Esses rituais geralmente são liderados por xamãs. Ao invocar os espíritos dos animais da região, o xamã consegue algum tipo de aprovação para a caçada.

Caçada, animismo ártico
Retorno da Caçada
(Exposição do Ártico no Milwaukee Public Museum)
Foto: Michael Barera (Wikimedia) ©CC BY-SA 4.0

Outro exemplo é que algumas comunidades turcas que vivem na Sibéria fazem oferendas aos espíritos da natureza antes de partirem em uma jornada. Desta forma, os espíritos ficam satisfeitos e espera-se que a viagem transcorra sem nenhum acidente ou transtorno.

Em algumas comunidades nativas americanas, as pessoas realizam rituais especiais para proteger as árvores que consideram sagradas. Além disso, algumas comunidades respeitam as árvores e tentam minimizar seu corte.

Animismo no contexto psicológico

Em um contexto psicológico, o animismo se refere à crença de que objetos inanimados, como brinquedos, carros e produtos da linha branca, têm uma consciência ou alma, e a tendência de atribuir características humanas a eles. Essa crença é especialmente comum entre crianças pequenas e é considerada um estágio normal em seu desenvolvimento cognitivo.

É um comportamento instintivo ou aprendido?
Segundo o psicólogo suíço Jean Piaget, as crianças instintivamente atribuem características antropomórficas a objetos inanimados, mas depois desistem disso. Por outro lado, segundo a antropóloga cultural americana Margaret Mead, as crianças não nascem com uma visão de mundo animista, elas são ensinadas pelas sociedades.6

Acredita-se que as crenças animistas das crianças resultem de sua dificuldade em distinguir entre suas experiências internas e a realidade externa. Segundo os psicólogos, as crianças podem atribuir sentimentos aos objetos porque ainda não compreendem plenamente que esses objetos não têm consciência.

À medida que as crianças crescem, muitas vezes tendem a desenvolver compreensões mais complexas e sofisticadas do mundo. No entanto, alguns podem continuar a manter crenças animistas na adolescência ou mesmo na idade adulta, especialmente se apoiados por tradições culturais ou religiosas. Além disso, algumas pessoas podem acreditar em crenças animistas mais tarde na vida como resultado de experiências pessoais ou crenças filosóficas.

Ter crenças animistas quando adulto pode ser amplamente aceito em algumas culturas e pode até ser considerado popular. No entanto, o oposto também é possível. Em última análise, a prevalência de crenças animistas entre jovens e adultos pode variar muito, dependendo dos contextos culturais.

Deve-se notar que as crenças religiosas e espirituais das pessoas são altamente pessoais, e o significado do animismo na antropologia não é exatamente o mesmo que na psicologia.

Neoanimismo e seu impacto nos sistemas de crenças contemporâneos

O encanto sedutor do animismo desapareceu gradualmente, à medida que as poderosas correntes das principais religiões varreram o mundo. No entanto, o interesse pelas crenças animistas reviveu no final do século XX.

Esse movimento, que é uma interpretação moderna do animismo e inclui novas práticas espirituais, foi chamado de neo-animismo. O neo-animismo também teve um impacto em alguns sistemas de crenças contemporâneos. Em particular, traços de neoanimismo podem ser vistos no neopaganismo, no neoxamanismo e na Wicca, que se caracterizam pelo respeito à natureza.

O neoanimismo é uma tendência crescente em algumas sociedades contemporâneas e seu impacto nos sistemas de crenças e atitudes ambientais é significativo. Embora existam problemas potenciais com a apropriação cultural, a ascensão do neoanimismo ressalta uma crescente consciência da interconexão entre as pessoas e a natureza.

  1. Rethinking Animism: Thoughts from the Infancy of Our Discipline“, Martin D. STRINGER, The Journal of the Royal Anthropological Institute, Vol 5, No 4^
  2. “Primitive culture”, Edward Burnett TYLOR, 1871, Open Library: OL6946625M, LCCN: 04028527, OCLC/WorldCat: 355146^
  3. “Folklor Kaynaklarına Göre Eski Türk ve Slav İnanç Sistemi”, Dr. Mariia TALIANOVA-EREN, Gazi Kitapevi, ISBN: 978-6257315203^
  4. “Totemism, animism and the depiction of animals”, Tim INGOLD, The Perception of the Environment, 2000^
  5. “Inuit Qaujimajatuqangit”, Editors: Joe KARETAK, Frank TESTER, Shirley TAGALIK, Fernwood Publishing, ISBN: 9781552669914^
  6. “Animism: Respecting the Living World”, Graham HARVEY, Wakefield Press, ISBN: 9781862546783^
Subscribe
Notify of
guest
0 Comments
Inline Feedbacks
View all comments